terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Receita de "Colchão de Noiva" (com recheio de atum)

Andei pela net a ver receitas de "Colchão de Noiva"
para comparar receitas com a que tenho há mais de 50 anos,
no meu 1º. livro de receitas.
Vi bolos!
Só bolos!
Imensos bolos!
Bolos cobertos e recheados, lindos, de diversas formas,
uns redondos, outros enrolados de massa muito fininha,
 outros em forma de colchão... como é lógico!
A mim foi-me dada a receita só da massa,
 que fica tão fofa...
daí o nome que também lhe atribuíram na época:
"colchão"!
A "noiva" veio depois e ter-se-á enrolado nele!...
Só pode!!!...
Na minha versão a massa em si não é doce nem salgada.
Não leva açúcar e de sal leva apenas aquela pitada
que nunca menciono
mas que junto a todas as claras que quero em castelo.
Faz-se o colchão e enrola-se como qualquer outra torta.
O recheio é que poderá ser doce ou salgado.
Neste caso foi de atum e pescada cozida
e ficou assim:
Vamos então à receita de hoje:

Colchão de Noiva
Ingredientes:
2 chávenas de leite
1 chávena de farinha de trigo
6 ovos
Preparação:
Batem-se as claras em castelo firme e reservam-se.
Numa tigela junta-se a farinha com o leite
e mexe-se muito bem com uma vara de arame.
Esta operação pode-se fazer alternando os 2 ingredientes
para que não apareçam grumos.
Depois juntam-se as gemas e mistura-se tudo muito bem.
Por fim incorporam-se as claras em castelo,
envolvendo-as suavemente na massa pouco espessa.
Vai ao forno em tabuleiro largo (o meu mede 40cmx25cm),
forrado com papel vegetal devidamente untado com manteiga,
durante 15 a 20 minutos, a 180º,  até ficar assim:
Tem-se um pano húmido onde se vira a massa ainda quente,
retira-se cuidadosamente o papel vegetal, 
barra-se com o recheio (doce ou salgado) e enrola-se
com a ajuda do pano. 
Ainda morno, coloca-se o rolo numa travessa...
... e aparam-se as extremidades.
Esta é a parte que eu mais gosto:
logo ali eu como uma e o meu marido come a outra!
Colchão de Noiva: aprovado por unanimidade!!!
Este que aqui mostro foi recheado com um creme de
atum enlatado e 1 posta de pescada cozida, 
acompanhado com uma boa salada.
Deu para 6 doses... 
e umas dentadinhas roubadas ao longo do dia!...
Se alguém quiser a receita deste meu recheio
poderei mostrá-la noutra publicação.
Também aceito sugestões dos vossos recheios.

Quando faço este rolo lembro-me sempre da minha sogra, que gostava imenso deste com atum. Fi-lo na aldeia e fez sucesso, porque era uma comida diferente, saborosa e muito fácil de mastigar! 
Experimentem e digam-me se gostaram.
UM ABRAÇO

domingo, 24 de janeiro de 2016

Xaile de croché

Este sorriso pertence à minha filha mais nova,
(a tal que toda a gente diz ser a cópia da mãe...)

e o xaile que exibe
foi feito por mim
há cerca de 6 anos.
Dos quatro que fiz,
todos iguais,
apenas com cores diferentes, 
mim calhou-me 
o que ninguém quis: 
o amarelo!!! 
Mas gosto muito dele 
e uso-o com frequência.
Até foi ele o modelo fotografado 
para esta publicação.
Fi-lo seguindo o modelo 
que estava numa revista (???), 
mas o motivo - aranhas - é fácil.
Com as fotos que irei mostrar a seguir 
será fácil copiarem-no...
se gostarem! 
Eu acho muito bonito... 
de contrário não teria crochetado tantos!
Sim, porque o 5º. mais pequeno,
foi feito com lã roxa 
e ofereci-o, então, à minha mãe.



O fio foi comprado na Brancal.
Tem um brilho de seda,
 por isso acho que dá um toque chique
a qualquer visual!...
Comecei com 243 pontos e, em xailes que começam por cima,
faço sempre 2 paus juntos de 20 em 20,
às vezes de 10 em 10,
porque depois fica ligeiramente arqueado, assentando melhor 
quando se põe pelos ombros..

Penso que as fotos são elucidativas
para quem quiser copiar.
 Espero que tenham gostado desta minha sugestão.
Se tiverem dúvidas estarei aqui para esclarecer!
Fá-lo-ei com imenso gosto!
UM ABRAÇO



quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Bolo dos resíduos do licor de leite

A pedido... aqui vai a receita do bolo que é feito com os resíduos
do licor de leite que costumo fazer.
Costumo fazer este licor com álcool alimentar que trago
de S. Miguel.
Quem não tiver acesso a esse álcool
poderá fazê-lo com aguardente...
mas aviso que, para o meu gosto, não é a mesma coisa!!!
Como "os gostos não se discutem"...
ficam aqui as duas opções para cada gosto!
AQUI mostro o licor de leite, mas na altura que o fiz
 não fotografei os resíduos.
O bolo fica muito bom!!!
E com um cálice do licor... então é uma maravilha!!!
... só para quem gosta!
UM ABRAÇO

domingo, 17 de janeiro de 2016

Casaco de tricô para criança

Ofereci-me para dar uma mãozinha neste projeto... 
mas acabei por fazê-lo sozinha, para uma das minhas netas.
Foi-me apresentado o modelo da internet 
e usando um fio que tinha em casa iniciei a empreitada.
 
Mostro as minhas várias etapas mas, nas fotos mais abaixo, 
o esquema da net, devidamente identificado
elucida na perfeição.
Apenas tive de adaptar o modelo à medida da minha netinha.
 Ficou assim,
mas os meus dedos não poderão repetir idêntica tarefa!...
Neste tamanho o trabalho fica muito pesado nas mãos
quando estamos a tricotar as mangas e as costas de uma só vez.
Claro que quem não tiver braços com ferros e parafusos,
como eu...
e não estiver engadanhada,
como eu...
fará este casaco com uma perna às costas!...
Mas para fazer as mangas separadas
teremos de levantar as malhas para as tricotar,
do ombro para o punho, 
de contrário, ao cosê-las, iria ficar uma costura muito grossa.
 Coloquei as azelhas e os botões de modo diferente, 
para facilitar a alteração do fecho para rapaz...
pois este casaco talvez passe para o irmão mais novo,
meu netinho, quando deixar de servir à irmã.
Eis o modelo da internet:
por Marta Porcel.


A netinha vestiu-o hoje e fica-lhe muito bem!
UM ABRAÇO

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Camisola com jacard

Quando o frio aperta... vamos ao baú buscar relíquias quentes!
A minha filhota veio perguntar se eu precisava de alguma coisa em falta,
apanhei-a para este post... e dei-lhe a lista das compras!
Ufff... já me safei!... Não gosto muito de ir às compras.

Fiz esta camisola na máquina Singer Solo,
só bordei os motivos da parte branca mais larga 
e tricotei à mão os revesilhos. 
Usei dralon da Brancal e é obra que tem mais de duas décadas!...
Embora não pareça nova, a camisolinha ainda está aceitável 
e não fica nada mal à minha filha mais nova,
que aprecia estas coisas.
 Usam-se malhas e conheço muitas meninas que têm esta máquina.
Por isso, se gostam de peças vintage, mãos à obra!
 Os pormenores vão bem visíveis para quem quiser tirar ideias.
 Já nem me lembro onde encontrei o modelo, que, presumo,
terá levado alterações à minha moda!
É o costume!...
Para matar desejos e aumentar o nível de colesterol...
fomos almoçar leitão à bairrada com o meu irmão e a nossa neta,
mas regressámos a casa, fugindo da chuva e do frio.
Em casa está-se muito melhor!...
UM ABRAÇO

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Bolo escangalhado... o verdadeiro!...

Era o aniversário do meu filho. 
Íamos só dar-lhe um beijo de parabéns, mas quando vou visitar os meus netos, gosto de levar um bolinho saudável. E o escolhido foi o de frutas frescas (pera, maçã e limão), receita da Nina. Já o tinha feito antes, mas desta vez aumentei 1/3 dos ingredientes. Cheirava tão bem, estava dourado com as frutas crocantes no lugar certo, fofo, lindo... como mandava a receita!

Até aqui fiz tudo direitinho!
Mas o tempo não dava para esperar que arrefecesse! Levá-lo na forma era uma opção, mas eu queria muito levá-lo já no prato… com as velas e tudo! Manias!!!...
Vai daí, aqui a artista desenformou o bolo ainda quente. O dito estava tão bonito, mas com o fundo virado para cima ficava torto! Não me parecia bem polvilhar com açúcar confeiteiro aquela maravilha desnivelada, quando a parte de cima, mostrando os crocantes… era muito mais bonita, nem se notando a ligeira protuberância.

E é aqui que se dá a tragédia: 
coloco um prato por cima do bolo para o tornar a voltar, deixando-o na posição desejada, mas o coitado, de tão quente e fofo que estava, durante a rápida reviravolta escangalhou-se… quase caindo no chão!!!...
Só me apeteceu chorar (reagindo como consta que a minha avó paterna reagia quando os cozinhados não lhe corriam bem!), pensei ir comprar um bolo bonito, mas não seria tão bom como o meu!...
Com película aderente atei a acidentada delícia, assim tipo ligadura…, tentando juntar a massa ainda quente… esperando que não se notasse nada quando arrefecesse!...
Chegado ao destino, o famigerado bolo foi alvo de risota, o que voltará a acontecer quando virem as fotos, mas os que o comeram foram unânimes quanto ao cheirinho, textura e sabor! 
Estava muito bom!!!
Mesmo assim o meu filho improvisou umas velas e colocou-as no seu belo bolo de anos! Rimos e cantámos os parabéns e fizemos um lanchinho em família, 43 anos depois de ter nascido o meu rapaz, com 4,050 kg e 52 cm, no hospital Miguel Bombarda, em Lourenço Marques, hoje Maputo. 
Vejam como estava a correr tão bem:
E aqui... zás!!!...
Mas não posso deixar de vos mostrar o tal 1º. bolo,
que não se escangalhou,
que faz jus à receita da Nina,
que ficou lindo e delicioso,
que os meus netinhos comeram e repetiram!
 Com as frutas frescas o bolo fica húmido e a massa é fofa...
 ...tão fofa que estes três netinhos adoraram!
A receita está no blog da Nina e afianço que o bolo é delicioso!

UM ABRAÇO

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

OBRIGADA!!!

Antes de terminar este ano, quero agradecer a todas as pessoas que me acompanharam, 
que viram atentamente as minhas publicações, 
que gostaram e comentaram, 
que só espreitaram e não comentaram, 
que copiaram o que viram, 
enfim, 
que tiveram a paciência e a gentileza de me aturar!...
Todas estas pessoas deram-me muita força para continuar a estar por aqui.
Gostaria de ter retribuído individualmente todas as simpáticas palavras que me dirigiram e a que eu nem sempre consegui responder. 
Quero pedir desculpa pelas minhas falhas,
mas acreditem que todas têm um lugar no meu coração.
Conheci pessoas que me deram um grande gosto pela simpatia que emanam. 
Troquei correspondência e prendinhas com amigas virtuais que parecem conhecidas de há muitos anos, criando fortes elos de amizade que, espero, venham um dia a tornar-se reais.
Espero ainda vir a conhecer pessoalmente mais amigos/as virtuais, mais um dos motivos que me levam a manter o blogue ativo.  
O meu tempo livre de aposentada diminuiu, o que me levou, ultimamente, a não fazer nem publicar trabalhos com a frequência dantes. 
Eu já me tinha habituado a sermos dois, agora somos três - uma alegre lufada de juventude -  e por esta época quatro! 
No Natal fomos muitos mais e espero que em 2016 estejamos de novo todos juntos.
Espero também continuar a estar convosco, 
desfrutando das vossas belíssimas publicações, 
das vossas excelentes fotografias, 
dos vossos belos poemas, 
dos lindos trabalhos manuais,  
das fantásticas fotografias de lugares maravilhosos,
das histórias de vida por vezes hilariantes,
das receitas culinárias,
enfim,
de tudo o que aprecio ver e nem sempre o manifesto!
Podia deixar-vos uma flor... 
mas deixo-vos com a foto dum pequeno-almoço!
A pecinha mais pequena é repetida ao almoço e ao jantar, com outras duas!
Sem elas não sei como estaria... nem se estaria aqui!...
De manhã o chá preto da minha ilha e as 3 pecinhas são fixas!
O pãozinho às vezes é torrado, com manteiga.
Vai esta foto também por ser o que sempre desejo para o dia seguinte:
estar viva, quer chova, quer faça frio, quer troveje... 
é-me indiferente!...
Sei que acordei e o sol está algures!...
Desejo-vos muita saúde e um 
FELIZ ANO NOVO.
OBRIGADA!
UM ABRAÇO

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

CAMISOLA / PULLOVER

Este foi um trabalho efetuado no fim de semana!
Uma camisola/pullover para o meu irmão.
Em 3 horas da tarde de domingo, com breves pausas,
tricotei na máquina todas as partes: costas, frente e mangas.
Ainda numa parte dessa tarde e ao serão tricotei à mão 
os revesilhos das costas e da frente.
A máquina é manual, mas não me custa usá-la.
Se há três anos eu tivesse fraturado o braço direito, 
desconfio que, com a placa e parafusos que me colocaram,
não teria ficado capaz de fazer o que ainda faço...
pelo menos com tanta rapidez!...
 No serão seguinte fiz o revesilho do pescoço, fechei os lados
e fiz os revesilhos das mangas.

 Digo-vos que os revesilhos e a montagem da camisola 
demoram mais tempo a fazer do que a parte feita na máquina.
E como guardo a receita de (quase) todos os trabalhos,
vou tomando notas e desde que tenho o blog vou fotografando
para ficar com apoio para futuro trabalho ou para vos mostrar!
AQUI mostrei as camisolas que fiz o ano passado.
Este ano estão um pouco usadas e achei que devia fazer outra.
Arquivo assim as receitas dos meus trabalhos:
Esta sim! 
Ficou mesmo muito bem 
e estou com ideia de lhe fazer mais uma noutra cor.
E será exatamente igual, 
porque o meu irmão prefere o decote em U ao decote em V. 
Quem tiver esta máquina poderá copiar o modelo.
Ficou bem e foi um trabalho rápido!
Ah! Nos intervalos fui fazendo as refeições 
e todas as outras tarefas domésticas.
E a próxima publicação será uma receita.
Depois conto o que aconteceu com as badanas de bacalhau!!!
UM ABRAÇO