segunda-feira, 18 de junho de 2018

Casaco de tricô bordado para menina recém-nascida

Este é mais um modelo com umas sete décadas,
que herdei da minha Tia Rosinha.
O casaco-relíquia andava há muito para ser reproduzido,
mas só agora me aventurei. E não ficou exatamente igual:
não encontrei renda fininha cor-de-rosa e, 
por não ter levado a renda, também não coloquei a fita
que sai da frente e faz um laço atrás.
O modelo é muito fácil e acho que prima pela originalidade.
 E é abotoado atrás, como eu gosto!
A receita segue em fotos... como é meu hábito mostrar.
Dá para contar os pontinhos e carreiras.
Quem tiver experiência copiará facilmente,
mas ainda assim vou dar umas dicas!
O ponto dos arcos faz-se em número ímpar de malhas:
1ª.:|*1 m liga e 1 m pass. p/ frente s/ tricotar*|, 1 liga;
2ª.: |* 1 m meia, 1 m liga*|, 1 m em meia;
3ª.: toda em meia,
4ª.: toda em liga (no Brasil é ponto tricô);
5ª. e seguintes: repetir da 1ª. à 4ª..
 A parte dos ombros ficou em alfinetes e cosida
depois de prontas a frente e as costas.
 As mangas foram começadas por cima, 
fazendo depois os aumentos até à cava.
(É assim que está no original!)
 A seguir mostro pormenores, mas já sabem que,
se quiserem fazer um tamanho maior, 
terão de aumentar na parte dos arcos
e no número de carreiras.
Quanto ao número das agulhas, de pontos e carreiras...
quem copiar terá de decidir!
 Aqui mostro o casaquinho antigo...
 ... e usei destes botões de madrepérola,
muito antigos, também herdados.
Este modelo que agora fiz foi só para treinar!
Agora irei fazer outro maior 
e vou procurar renda fininha cor-de-rosa,
para ficar exatamente igual ao da minha Tia Rosa Pracana.
UM ABRAÇO

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Saco para tablet

Há dias comprei um computador/tablet.
O meu computador portátil é pesado nas viagens,
e o telemóvel acaba por não ter algumas das funções
que acho necessárias para publicar os meus trabalhos.
Vai daí... 
comprei um computadorzinho... que também é tablet!
Comprei também uma capa acolchoada à medida, 
mas logo ali pensei fazer uma bolsa para o transformador,
para a máquina fotográfica e respetivos acessórios. 
Os retalhos (que ainda são imensos!...) são iguais aos de
trabalhos que já aqui mostrei.
 Forrei-o e apliquei bolsos por dentro.
Fecha com uma mola e cosi um botão de madrepérola.
 Virei pelo avesso para mostrar o bolso com zíper
 e outros abertos para caneta, bloco de notas, etc...
Pequeno e leve, vai ser mais fácil de levar nas viagens.
Não o mostro agora porque o meu filho está a prepará-lo
para eu o usar... e isso eu não sei fazer!
Mas sei que vai ficar mesmo a meu jeito!
UM ABRAÇO

terça-feira, 1 de maio de 2018

Casaco de tricô para recém-nascido

O frio voltou e a vontade de sair de casa é pouca.
Quando isto acontece pego em agulhas mesmo durante o dia.
A ver o que estava guardado nas cestas e prateleiras
do cubículo onde tenho a máquina de tricotar sempre as postos,
e onde guardo imensos fios dentro de sacos transparentes, 
encontrei estes restos de fios da mesma qualidade.
São fios Rosários 4, estes da linha "Carícia", bons para bebés. 
Resolvi treinar alguns pontos de fantasia que vira no youtube
e misturando-os com os que me iam surgindo na minha cabeça,
apliquei-os no casaco começado pelo decote.
As ideias foram surgindo e o casaco foi crescendo.
Não é nada de especial, mas irei doá-lo, porque ficou fofinho
e haverá um bebé que o irá vestir.
Eu gosto mais destes casacos a apertar atrás, 
porque o bebé fica sem nada que o incomode 
nos movimentos que faz com as mãozinhas. 
É por isso que nunca uso laços!
Mas quem quiser poderá optar por vesti-los assim.
 
 Não tem receita, mas vou mostrar em pormenor.
Ainda assim gostaria de saber a vossa opinião!
 Para bolo da semana fiz este inspirado num que vi no FB,
um bolo que leva uma laranja com casca no liquidificador.
Como não podia deixar de ser, eu tinha de lhe fazer alterações!
Com a laranja foi uma cenoura e como a massa ficou consistente
só com o sumo da laranja, dispensei o leite.
Acrescentei-lhe também nozes e passas,
coisas que gosto muito de encontrar nos bolos.
 Ainda morno e já de noite, comemos uma fatia.
 No dia seguinte foi o pequeno-almoço, com o habitual chá.
Por ser grande, congelei metade.
 Agora ouço manifestantes pela Av. Sá da Bandeira abaixo!
Hoje é o seu dia e estão a dar voz às suas reivindicações!
Que haja trabalho e boas condições para todos, 
é o que mais desejo, pois eu, como aposentada, 
preciso muito deles todos!!!
UM ABRAÇO



sexta-feira, 27 de abril de 2018

Casaco de tricô para bebé (rapaz) tam. 4 - 6 meses

Desta vez fiz um casaco para um amiguinho que vai nascer
no tempo quente, por isso irá vesti-lo só no outono,
altura em que irão nascer os primeiros dentes.
E como esse processo começa com as babas...
achei por bem fazer um bolso para o lenço
que será de grande utilidade!
Pelas fotos poderão copiar, mas deixo uma ajudinha
para facilitar: 
as frentes têm 40 malhas e as costas 72;
depois do revesilho fiz 64 carreiras (32 nós/cordões de liga);
cava: 3, 2, 1 mates e ombro na 32ª carreira.
No revesilho das mangas, com 31 malhas, fiz torcidos 
e depois aumentei 12 malhas logo na 1ª carreira de liga;
os restantes aumentos estão nas carr: 4, 8, 12, 16, 22, 28;
na 33ª carr. 2 m juntas em 15 vezes e depois 2, 3 e restantes.
AQUI mostro como fiz este bolso.
Ficou assim:
... e cosi o ombro assim:
Botões a condizer e lenço no bolso! 
Está pronto!


terça-feira, 24 de abril de 2018

Canudos, cornucópias e outras coisas mais!

Com uma grande Amiga aprendi a fazer estes canudos.
Apanhei canas à beira da estrada e com elas os fiz,
serrando, lixando e lavando.
 Na foto seguinte mostro a minha Amiga a soltar
os fios de ovos para colocar nas extremidades dos canudos
recheados com ovos moles feitos também por ela.

 Há algum tempo fiz massa tenra, envolvi os canudos com ela
e fritei.
 A meio da fritura retirei a cana para ganharem cor por dentro.
Na altura recheei-os... já não me lembro com quê...
mas acho que foi com um preparado de atum!... Teria sido?
AQUI  encontrei a foto destes doces típicos dos Açores,
que mostro a seguir, aconselhando uma visita ao referido blogue.

 Para a versão doce a massa deverá ser assim, mais fina.
Fi-la para salgados, por isso noutra versão mais espessa.
 Desta vez aproveitei uma febra de porco grelhada
e duas salsichas fumadas,
tudo triturado, devidamente temperado e transformado em recheio.
A este preparado juntei esparregado que tinha congelado
e saiu isto: pena não mostrar o cheiro bom!
 E desta vez fugi dos fritos, mas meti-me nos folhados...
alternativa também pouco saudável mas que sabe tão bem...
só de vez em quando!
Usei os meus canudos e as formas de cornucópias.
 Estas deviam ter sido untadas com um pouco de manteiga,
pois ao retirar a massa, parti uma!
 Comi-a logo ali, mesmo sem recheio!
As outras ficaram assim:
 E os canudos ficaram assim:
 O resto da massa e do recheio ficou assim:
 Esta foi a sopa que fiz substituindo a batata por quinoa.
Ficou muito boa:
cebola, alho e alho-francês salteados no azeite,
cenoura, tomate, lentilhas, quinoa e coentros.
Tudo triturado.

Noutro dia e para festejar um aniversário em casa de uns amigos
levei este folar já pronto em fatias
que encantaram o nosso grande amigo...
e satisfazendo o seu pedido!
 Para a festa levei também estas malassadas, que também
foram muito apreciadas pelo compadre do nosso amigo,
agora nosso amigo também!
E para bolo da semana, fiz este de nozes e passas,
mas ainda não foi a receita da nossa doce amiga Nina!
Não a esqueci!
Fiz a olho a minha receita simples que sai sempre bem,
com a batedeira:
manteiga, açúcar, gemas, óleo de amendoim, raspa de limão,
aroma de baunilha, farinha de trigo, leite, nozes e passas,
 e, antes de juntar as claras em castelo,
bato a massa à mão durante 1 minuto até fazer muitas bolhas!
Este é o segredo dos meus bolos fofos
e saem-me sempre bem, com pouco açúcar.

Espero que tenham gostado desta publicação!
E com saudades de um bom banho neste mar deixo-vos esta foto,
esperando estar assim de molho em maio e junho!

UM ABRAÇO