quinta-feira, 23 de abril de 2015

Açorda de bacalhau com ovo escalfado (sopa alentejana)

Depois de uns dias fora de casa e tendo passado pelo Alentejo,
para chegar ao sul de Espanha, onde estivemos uma semana,
 reapareço com uma receita da região das famosas açordas e migas,
que fazem as minhas delícias!... 
Tentando copiar o que nos foi servido num restaurante típico,
em Portel, onde comemos uma deliciosa Açorda de Cação,  
cozinhei uma Açorda de Bacalhau e não me saí nada mal!... 
Ficou tão boa, que não resisti a partilhar a minha receita. 
Aqui vão os ingredientes que utilizei:
1dl de azeite
6 dentes de alho
1 raminho de coentros
1 posta de bacalhau
2 ovos
1 colher de sopa de farinha de trigo
3 ou 4 fatias de pão alentejano
1,5 l de água
1 pitada de sal
Cozi ligeiramente o bacalhau e reservei.
Num tacho levei ao lume o azeite,
os alhos e os coentros picados grosseiramente,
mexendo durante cerca de 5 minutos.  
Juntei a farinha e deixei ao lume por mais 5 minutos,
sempre a mexer.
Acrescentei a água onde cozi o bacalhau e, sem deixar de mexer,
deixei ao lume até ferver e engrossar ligeiramente.
Retifiquei o sal.
Depois triturei o caldo com a varinha mágica, assim:
 ESCALFAR OS OVOS
Num tacho pequeno coloquei:
2 dl de água
 1 pitada de sal
1 colher de sobremesa de vinagre de vinho branco
 Quando a água estava a ferver, 
mexi-a energicamente em movimento rotativo, com uma colher,
e introduzi o ovo para o escalfar, apenas durante 3 minutos. 
Retirei o ovo para uma taça e repeti a operação com outro ovo.
Na terrina, coloquei as fatias de pão (melhor se já estiver duro), 
por cima o caldo já com o bacalhau às lascas



e por fim os ovos escalfados.


Enfeitei com coentros e servi.
Este foi o meu prato e repetimos o caldo.
Não ficou nada na terrina!...

Se a açorda de cação estava boa, lá em Portel, no Alentejo,
esta aqui de casa, com bacalhau, também ficou muito boa
e acho que a troca do peixe foi uma ótima ideia...
até porque eu não tinha cação cá em casa!!!...
Quem gostar destes ingredientes
e quiser conhecer os sabores alentejanos,
poderá fazer esta receita.
E como não podem provar a minha açorda...
 mostro as fotos da que comemos no restaurante do Alentejo:
UM ABRAÇO

quinta-feira, 9 de abril de 2015

2 Sacos de retalhos / patchwork bags

Os trabalhos surgem por ondas! 
Agora estou (estamos... porque não sou a única!...)
em maré de sacos de retalhos. 
Fazem jeito e acabam por ser práticos, úteis e engraçados.
Algumas das responsáveis, como 
Filomena, a Conceição, a Nina e as minhas filhas...
a quem agradeço a ideia, levaram-me a isto:
um saco que utilizarei já este fim de semana.
 
Aqui sim, segui as regras do patchwork, não atirando
com os retalhos à toa... técnica que também tem a sua graça!...
Em vez de casa e botão, cosi uma mola grande com o botão
e ficou assim.
Por dentro, as divisões para as tralhas que trago sempre:
caderno, caneta, telemóvel, água...
Esta foi no correr do forro, de lado a lado.
 Esta outra só assim.
 Estas bolsinhas interiores dão-me muito jeito, 
porque nunca encontro o que procuro à primeira!...
 Mas antes treinei nesta, com retalhos maiores.
Quando saímos e não sabemos se estará frio no lugar aonde vamos, 
enfio os casacos ou xailes num saco plástico qualquer.
Assim vão mais bem acondicionados.
 No interior também coloquei bolsinhas, uma maior para livros
e as outras para as tralhas!
Forrados com manta acrílica para ficarem mais encorpados,
foram alvo de várias peripécias durante a sua confeção,
desde o coser partes às avessas... coser o forro antes de virar o saco...
Digo-vos que, para a próxima faço um PAP filmado...
sim, porque se à 2ª. ainda cometi enganos semelhantes...
no futuro mais haverá para contar... porque eu sou assim!!!...
Acabei por fazê-los com uma certa rapidez,
um, durante a tarde de ontem, o outro, hoje de manhã
e não deixei queimar nada que estava a cozinhar ao mesmo tempo!...
Digam lá se o meu saquinho não ficou tão giro e sóbrio!!!
Ah! Este foi o que fiz para uma neta pequena.
Das calças do irmão fiz uns calções porque nos joelhos estavam rotas.
A outra parte deu isto, que tanto a alegrou!
 
E aqui está o modelo da net, que segui para aos meus sacos.
Sim, este é mais bonito, mais pequeno, fica melhor, está perfeito...
concordo,
mas eu fiz estes do tamanho necessário para agora.
 UM ABRAÇO

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Prenda recebida da amiga virtual Teresa

Esta semana fui surpreendida por uma doce prendinha que me enviou esta querida amiga virtual, que há anos me vem fazendo companhia, comentando e escrevendo-me emails, com tanta simpatia e carinho.
É como se já nos conhecêssemos pessoalmente há muito tempo... 
e gosto tanto dela!... Está sempre presente!
É a amiga mais atenta aos meus trabalhos, deixando sempre palavras que nunca esquecerei por terem uma forte carga emocional, que me levam a continuar a mostrar aqui os meus singelos trabalhos,
que, para ela, são sempre bonitos!...
 O pacotinho surpresa vinha bisbilhotado... por alguém que talvez pensasse que conteria substâncias ilícitas!... Está certo: todo o cuidado é pouco!
Afinal, por dentro, estava tudo bem: intacto!
Eram estas bolachinhas deliciosas, com pouco açúcar como eu gosto,
confecionadas por abençoadas mãozinhas!!!...
Achei graça só ter chegado 1 inteira... 
mas o sabor não ficou alterado pelo facto de virem já cortadinhas!!!
São muuuuuito boas!...
 E estes 3 chás... hummm... aqueles de que eu mais gosto!...
 O chá vermelho foi logo aberto para o pequeno-almoço,
que eu ainda não tinha tomado. Transportado no tabuleiro para a mesa, como sempre faço, foi saboreado lentamente... com muito prazer!
 É mesmo vermelho... mas parece mais escuro porque o adocei com açúcar mascavado.
E é mesmo muito bom!...
O verde é para a tarde... para o 5 o'clock tea... 
e o 3º., para tomar antes de me deitar e dormir um soninho descansado!...
 Depois fui à varanda e encontrei estas lindas freesias/frésias...
 que coloquei a enfeitar a fotografia dos meus filhotes... 
tirada há quase 30 anos!...
Para ti, minha querida amiga Teresa, o meu agradecimento 
por esta prenda que tanto apreciei!

sexta-feira, 27 de março de 2015

Capa para o teclado do piano, feita com retalhos

Quando comprei alguns apetrechos para patchwork/quilting 
andei pela net a pesquisar trabalhos feitos com retalhos,
diferentes dos que eu até agora fiz, cosendo os retalhos à toa!...
Ao ver o meu entusiasmo pelo verdadeiro patchwork, a minha filha mais nova
trouxe-me umas revistas e uns retalhinhos que tinha lá em casa.
Alguns vieram já cortados e outros inteiros...
para eu fazer a obra que ela planeara para a irmã mais velha:
a capa para o teclado do piano.
O grau de dificuldade é baixo, um simples retângulo comprido,
mas foi obra para uma boa parte da tarde, digamos, das 3h às 7h,
com intervalo para o chá das 5, com o marido.
Cortei mais umas pecinhas e colei uma manta acrílica.
 Fui cosendo e abrindo as costuras e saiu esta obra:
 Os pianos de cordas normalmente trazem um tecido a cobrir o teclado. 
Este vinha com o da minha filha e a irmã quis presenteá-la
com um diferente... (feito pela mãe!!!).
No youtube não encontrei nem unzinho que me inspirasse!
Será que já não se usam?...
 O meu piano é muito antigo e trazia este pano de lã, uma relíquia, 
com esta pintura maravilhosa.
 Sendo La Bohème, de G. Puccini, uma das minhas óperas preferidas,
nunca substituiria a minha capa do teclado do meu piano.
No entanto, acho que esta para a filha mais velha ficou engraçada,
 com estes motivos.
 Espero que tenham gostado!
Um pequeno excerto de La Bohème... só para quem gosta!
UM ABRAÇO