quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Papas laberças com farinheira e queijo ralado

 Papas laberças com farinheira
 
 Ingredientes:
3 colheres de sopa de azeite
1 alho-francês médio (só a parte branca) 
1 dente de alho
1/2 farinheira
2 folhas de couve de caldo-verde
1 colher de café de cominhos
1/2 colher de café de sal
1 pitada de piripiri ou pimenta
1 colher de café de açafrão das Índias
2 colheres de sopa de farinha de milho
 queijo flamengo ralado

A preparação está nas fotos, mas eu dou uma dica:
levar ao lume o alho-francês e o dente de alho picados.
Desfazer a farinheira sem pele.
 Juntar água quente e a couve e deixar cozer, mexendo.
Juntar cominhos, sal, piripiri e açafrão.
Vai-se juntando água quente.


 Desfazer a farinha de milho num pouco de água fria
 e juntar ao que está ao lume.
Mexendo sempre, deixa-se cozer até ficar uma papa.
 Deitar num recipiente
 e espalhar por cima queijo flamengo Terra-Nostra ralado.
 Deixando arrefecer ficou assim... lindo!
 Podem-se comer estas papas frias, 
mas estas foram para o prato ainda mornas!
Papas


      Xarém ou xerém no Algarve e também em Cabo Verde, papas de milho na Madeira, canjiquinha no Brasil, polenta na Itália, papas laberças na Beira-Alta e mais designações por esse mundo fora… vão dar ao mesmo: papas de farinha de milho com moagem mais ou menos fina, que são cozinhadas com o que se lhe quiser juntar!!!


      No Algarve o xerém é preferencialmente feito com amêijoas, pelo menos é o mais afamado. Mas não deixam de ser papas!

      Na Itália é a polenta, ou seja, papas!

      Em Cabo Verde, o xarém é exatamente igual ao do Algarve; apenas os ingredientes e as gorduras poderão fazer a diferença. São igualmente papas!

      Na Madeira, não há dúvidas: são mesmo as papas de milho.

      No Brasil há zonas onde lhe chamam canjiquinha, mas o país é tão extenso, não é de estranhar que seja conhecida em Pernambuco e não a conheçam em Santa Catarina ou na Amazónia! Mas não deixam de ser papas!


      Nem é preciso ir para tão longe! Mesmo em Portugal há muitas pessoas que nunca ouviram falar em pratos típicos das nossas várias regiões.

      Mas eu respeito as tradições e não vou para a Beira-Alta dizer que as papas laberças não são papas laberças, mas sim xarém ou polenta!


      Aqui no blogue eu já mostrei as que faço como a minha avó paterna ensinou à minha mãe, à moda da Beira-Alta. Fazendo estas… podem-se fazer todas as outras variantes. É uma questão de imaginação e gosto pela coisa!...


      Atenção! Eu não estou a falar para vegetarianos! Não estranho nem critico os que o são, e eu própria faço algumas refeições vegan por comodidade!


      Sei que há muitas pessoas que não gostam de alguns alimentos. Vai sendo cada vez mais difícil encontrar pessoas que comem de tudo. Não gostam de favas, de lentilhas, de beterraba, de papas!… E o pior são as que franzem o nariz e até se dizem enojadas (coisa nada delicada de dizer diante dos apreciadores!...) quando alguém diz que gosta muito de, por exemplo, caracóis, sarrabulho, tripas, cabidela, farinheira, língua, rabo de boi, mão de vaca, bochechas, maminha… 


       Só me deu para isto porque hoje cozinhei estas papas laberças que inventei para o almoço. Gostámos muito, apesar do meu filho as ter achado muito calóricas! Acho bem que ele, no auge dos seus lindos e elegantes 44 anos se vá preocupando com isso das calorias!... Não é prato que eu faça assim com tanta frequência, mas...


      A sopinha foi de tomate, mas desta feita, em vez de batata coloquei 4 colheres de sopa de flocos de aveia. Depois de triturada deitei cebolinho e salsa picados. Ficou boa, macia e bonita!


      Mostro as fotos das etapas, apenas para as cozinheiras inexperientes que gostam de tudo!!!
      Divirtam-se inventando na cozinha... como eu!
Aguardo as vossas invenções!
UM ABRAÇO

13 comentários:

  1. Boa tarde Teresinha,
    Uma delicia essas papas e muito bem ilustradas.
    Eu sou das que gosto de tudo! Só evito algumas coisas para evitar prejudicar a saúde;))!!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  2. Oi Terezinha querida!
    Adorei este prato!Pensei em fazer!
    Só não sei o que é farinheira!!!
    Isso deve ficar"dos deuses"!!kkkkk
    Um grande beijo!
    Cristina Peres.

    ResponderEliminar
  3. Nossa, que gostoso...salivei querida. Em São Paulo se come muita polenta com rabada e agrião e batata, aqui no meu nordeste e xerém com frango guisado, ou cozido no leite de vaca para ser servido com leite. É uma delícia !!
    Bom findi amiga !
    Bjss!

    ResponderEliminar
  4. Teresinha, em criança muito apanhei porque era das tais que não gostava de nada. Fazia perder a paciência a um santo, no caso, uma santa, a minha maezinha querida.
    Não é de admirar portanto que continue chatinha. Nunca comi essas nem quaisquer outras papas. Nunca provei. E não gosto. Vê lá tu o desplante!
    Mas acredito que sejam deliciosas. Só que não gosto.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achei imensa graça ao teu "nunca provei e não gosto"! Fizeste-me lembrar a Clara Ferreira Alves que disse na TV, a propósito dum livro (que não prestava para nada...)"não li e não gostei"!
      Estas papas eram comida de pobres... é natural que muitas pessoas não conheçam, mas são um prato tradicional português.
      Bjs

      Eliminar
  5. Nunca tinha ouvido falar e nunca provei, mas pelo aspecto devem estar deliciosas.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  6. Nunca tinha ouvido falar!
    Quem sabe um dia experimento!!! Bj

    ResponderEliminar
  7. Teresinha, adorei a receita. :) Obrigada! Bem poderia fazer, mas sem o enchido que não posso comer, embora goste muito!
    Gostava que me mandasse o e-mail, para poder partilhar o gráfico do "néctar dos deuses", se quiser, é claro. :)
    Beijinho, bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida! Já te escrevi uma carta... pela net!
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Oba! Que delícia!
    Hoje também fiz um pão italiano recheado com queijo e pasta de berinjela.

    Respondendo seu comentário lá no blog.
    Foi sim os pobres que elegerem a corja que se perpetua no poder há uns 13 anos.
    Até porque eles além de serem maioria são influenciáveis.
    Se "vendem" por tijolos, por sacos de cimentos, por dentaduras, etc.
    E lógico que aí você não pode ter noção do que é se viver aqui.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Teresinha!
    Enviei o link desta bela e gostosa postagem para a Taís, para ver se ela consegue fazer pratos como estes, que parecem ser deliciosos. Parabéns.
    Ótima semana.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar
  10. Querida amiga Teresinha aqui mais pro lado de São Paulo, essa papa tem o nome de polenta como na Italia, talvez porque devam ser os imigrantes quem trouxe essa comida para ca, em casa faço ela sempre mais mole, como uma sopinha mesmo, e junto molho de carne moida e tomate fica irresistivel e como petisco, fazemos ela assim bem firminha como você fez, depois cortamos em pequenos pedaços e fritamos fica muito bom tbm.... bjucas

    ResponderEliminar

Gosto muito de ler os comentários, por isso, se gostou do que viu, pode deixar a sua opinião!
Tenha um dia feliz... com muita saúde!