sábado, 25 de junho de 2011

Pano bordado a matiz ( desenho tradicional de S. Miguel



Este foi o bordado que comecei há cerca de 52 anos,
para aprender matiz
nas célebres aulas de Lavores do Liceu.
O tecido, que já vinha riscado, é popeline bege...
nem sequer foi linho branco!...
Talvez
alguém duvidasse da "perfeição"
que iria sair
do meu primeiro trabalho a matiz!...
Se calhar esse
alguém teve toda a razão, pois a obra,
nesse ano letivo,

ficou apenas com 2 ou 3 raminhos incompletos...

até agora!!!
Passados 50 anos resolvi acabar a
obra prima!...
Mesmo guardado, o tecido ficou com nódoas que não quiseram sair.

Mas esta relíquia terá de perdurar:
vou utilizá-la como fundo dum tabuleiro de madeira,
de modo a que as nódoas do tempo fiquem escondidas.


E foi bordando que passei parte destes dias que
estive em Miranda do Douro com o meu marido.
Passeámos muito... fizemos 1550 km nos 10 dias,
andámos pelo Alto Douro Vinhateiro ( património mundial ),
nordeste transmontano e um pouco de Espanha.
E eu, que não como carne,
acabei por atacar metade desta tenra posta mirandesa!
Irei mostrar as fotos...
para fazer crescer água na boca aos apreciadores!!!

E olhem só o que ficou!!!...
Aconselho a posta mirandesa deste restaurante,
O Miradouro:
muito tenra, suculenta, ótimo atendimento,
com vista para o Rio Douro, como o nome indica,
e uma dose foi a quantidade certa para os dois.
Ficaram na travessa apenas as batatas a murro,
só pela quantidade, pois estavam ótimas... mas...
Agora vou espreitar os blogues...
estava cheia de saudades vossas!
Abraço-vos.

14 comentários:

  1. Querida Teresinha, sabia que estavas fora, mas esperava, com impaciência o teu regresso.
    Fico contente por saber que foram 10 dias bem passados.
    Vamos, então, por partes:
    - O bordado. Para quem perdeu a mão e não tem praticado, está muito lindo.
    Também já bordei umas coisas, mesmo depois de casada, mas custou-me a acertar o ponto.
    A ideia do tabuleiro parece-me magnífica.
    - A posta mirandesa.
    Eu também quase não como carne, então sendo vermelha é raríssimo e nem compro.
    Confesso, porém, que, excepcionalmente, cometo exageros, principalmente na região que visitaste onde a carne é irrepreensível.
    - As minhas plantas.
    São, realmente, um gosto para os olhos.
    Quando saio, ligo um sistema de rega automática, mas sempre definha alguma ... devem ser saudades
    da tratadora.
    As tuas sementinhas serão muito bem vindas.
    Beijinhos,
    Nina

    ResponderEliminar
  2. Teresinha, cá estou de novo.
    Sabes que esse truque das garrafas funciona mesmo, para as plantas dentro de casa.
    Nem me fales em nabice ... sou um perigo público.
    Quem me vale são os meus acessores.
    Beijinhos,
    Nina

    ResponderEliminar
  3. A senhora fez muito bem em guardar esta recordação.
    E em concli-la nunca é tarde para acabar um belo trabalho.
    A minha mãe tambem tem muitas recordaço~es de outros tempo no blog osbordadoseocrochetdavida.blogspot.com.~
    Bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  4. Olá Teresinha , lindo trabalho, também aprendi a bordar matiz, nas aulas de lavores , na Escola Industrial e Comercial de POnta Delgada.
    Bom fim de semana.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Oi Teresinha.
    Lindo bordado.
    Que refeição deliciosa.
    O passeio foi ótimo e agora ficam as doces recordações.
    Bom domingo para voce.
    bjtos.Nile.

    ResponderEliminar
  6. Boa Noite!!!
    Olá Terezinha Querida que saudades...quanto tempo..agora vejo que estava a passear..que gostoso e ainda tornasse com esse belo post um bordado em matiz..que lindo quanto capricho...parabéns ficou um luxo...bjss...Deus Abençoe e conserve....

    ResponderEliminar
  7. Olá Teresinha

    Adorei o sei primeiro bordado a matiz, ficou maravilhoso, penso que fez bem em acabá-lo e fazer o tabuleiro, pois é uma recordação que fica para sempre e além disso é maravilhoso e digno de ser aproveitado.

    Manuela

    ResponderEliminar
  8. Olá querida Terezinha,

    que bom que está de volta e que tenha corrido tudo dentro dos conformes! Estava com saudade também.
    Este seu bordado é tão bonitinho! Mas, como você terminou, guardou as linhas também? Porque está todo por igual (falo das cores). Uma graça viu?
    Bem apresentado o prato servido no restaurante e, realmente, parece delicioso. Gostei de saber que passeou bastante, é bom para renovar as pilhas!
    Bem vinda minha flor.
    Desejo-lhe ótima semana.

    Beijão,
    Lu

    ResponderEliminar
  9. Olá Teresinha,

    Lindo bordado, nem parece que tem tantos anos.
    Já fiz essa volta pelo Douro, mas não fui a esse restaurante, não costumo ter sorte, essa carne parece realmente deliciosa.
    Qualquer dia quero é fazer a descida do douro de barco, colegas minhas já fizeram e dizem que é bastante bonito.
    Beijocas e uma boa semana.
    São

    ResponderEliminar
  10. Poxa! esse pano é uma relíquia! Não sei como conseguiu guardá-lo tanto tempo.
    O bordado é lindo, tinha mesmo que terminá-lo.


    bjinhos

    ResponderEliminar
  11. Oii, querida !!!

    Que beleza ...esse trabalho é um tesouro. Acho demais a idéia de que eles permancecem por longos anos.

    Eu quero ir nesse restaurante...só de ver apeteceu. Vamos esse final de semana? Passo aí e a gente vai !!!hehehe


    Linda semana


    Beijinhos

    Ana

    ResponderEliminar
  12. Querida Teresinha, estou atrasada com as minhas respostas. A única atenuante é que estava cheia de remorsos, mas, foi mesmo impossível comentar mais cedo. Nunca, mas nunca, tens que te preocupar com o tamanho dos teus textos, os quais, me enchem de prazer, direi mesmo, de luz, por sentir que comunicamos tão bem.
    A Burda é património cultural de todas as meninas pré-Zara.
    Agora que a reencontrei ( acho que a edição portuguesa desapareceu mesmo, durante anos ...), considero-me redimida de todos os pecados, principalmente do consumismo exacerbado (e amalucado)e estudo, pondero, paro para pensar ... estou uma autêntica santa!
    Beijos, minha linda,
    Nina

    ResponderEliminar
  13. Olá, Teresinha querida!
    Estou encantada com o seu trabalho! 52 anos se passaram e você o terminou e vai usá-lo... Que maravilha!!! Estudei em colégio de freiras e como você ali fiz muitos trabalhos bordados... Não sei quantos dos meus paninhos bordados se perderam pela vida... Fiquei com saudades das aulas de artes manuais.
    Adoro ver seus trabalhos e pratos... Estou com água na boca rsrsrs...
    Quanto a manta da amizade... Aquela foi uma brincadeira da qual participei em um grupo de croché... Formava-se o grupo de amigas e depois trocávamos quadradinhos de croché... É um projeto lindo, no entanto tivemos muitos problemas... Algumas não retribuíram os quadradinhos que ganharam, outras não os teciam no tamanho recomendado... Enfim, um projeto lindo e cheio de boas intensões e que ao meu ver não deu certo por ter pessoas não muito conhecidas... Para dar certo, esse grupo, deveria ser de amigas conhecidas e que seguissem as regras... Se quiser encabeçar alguma brincadeira assim conte comigo... Será um prazer participar e ter uma manta com um pedacinho simbolizando a nossa amizade.
    Abraços com carinho,
    Sônia Maria

    ResponderEliminar
  14. Essas manchas do tempo. uma boa receita e "quarar" como diz minha mãe. Coloque o tecido úmido em um saquinho transparente com pouco sabão de côco e deixe dormir no relento.( relento é lá fora sob o luar). no outro dia dê uma esfregadinha. Sabonetes também são ótimos pra tirar manchas. ( passe no tecido seco e deixe agir. assim fizemos com alguns lençóis antigos ficaram todos branquinhos.

    ResponderEliminar

Gosto muito de ler os comentários, por isso, se gostou do que viu, pode deixar a sua opinião!
Tenha um dia feliz... com muita saúde!